Início
Rússia vai ditar passos para reabertura das exportações de carnes PDF Imprimir E-mail
Ter, 21 de Junho de 2011 08:39

As especulações sobre os reais motivos do embargo russo às carnes bovina, suína e de frango do Paraná, Rio Grande do Sul e Mato Grosso – que vigora desde o dia 15 – devem ser esclarecidas pelo próprio país importador. Moscou vai ditar passo a passo o que o Brasil precisa fazer para recuperar o mercado, conforme diplomatas brasileiros que tentam reverter a situação e organizam uma missão de esclarecimento ao parceiro comercial.

Ao anunciar o embargo, a Rússia alegou que o Brasil não está inspecionando o abate como deveria. A Associação Brasileira de Frigoríficos nega problemas sanitários ou relaxamento da fiscalização. O governo informou que pode provar que existem frigoríficos dentro das normas nos três estados bloqueados. Setores público e privado avaliam que determinação russa tem fundo econômico e garante mercado para a produção doméstica. Paraná e Rio Grande do Sul teriam sido escolhidos por serem grandes produtores e suínos e Mato Grosso por ser reduto da bovinocultura.

O ministro brasileiro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, afirma que, a julgar pela posição de seu colega russo, Sergey Lavrov, o problema “sanitário” pode ser resolvido em breve. Segundo Patriota, Moscou garante que dará tratamento técnico ao assunto.

Em vez de receber uma missão brasileira, a Rússia prefere enviar novamente monitores ao Brasil. A princípio, os diplomatas brasileiros tratam o assunto como uma questão de esclarecimento. Mas, se houver adaptações a serem feitas, o mercado adianta que deverá se curvar às exigências, principalmente no setor de suínos, que enfrenta demanda apertada e preços abaixo dos custos entre os produtores.

O Brasil exporta, em média, 14 mil toneladas de carne de porco por mês para a Rússia. De acordo com o presidente da Associação Brasileira da In­­­dústria Produtora e Expor­­­tadora de Carne Suína (Abi­­­pecs), Pedro de Camargo Neto, as suspeitas dos russos contra a carne suína brasileira são infundadas. Segundo ele, o modelo do Brasil no que se refere à saúde no campo e às condições dos frigoríficos é exemplo internacional.

As barreiras para a entrada de pessoas nos criadouros na Europa são consideradas me­­­nos rigorosas do que as praticadas no Brasil. Estangeiros podem visitar criadouros após desinfetarem os sapatos e vestirem jalecos. No Brasil, na maior parte das unidades, as visitas são simplesmente proibidas.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento in­­­for­­­mou que vai responder de forma rápida e inspecionar no­­­vamente todos os frigoríficos habilitados a exportar para o mercado russo.

 

Fonte: Gazeta do Povo

Última atualização em Seg, 27 de Junho de 2011 17:02
 


Another articles:

Powered By relatedArticle

CeresQualidade.com.br | Powered by Joomla!